segunda-feira, julho 18, 2005

Ó poesia sonhei que fosses tudo
E eis-me na orla vã abandonada
Uma por uma as ondas sem defeito
Quebram o seu colo azul de espuma
E é como se um poema fosse nada.



In Sophia de Mello Breyner Andresen, Antologia, Mar

10 à janela:

At 18/7/05 7:16 da tarde, Blogger Joao disse:

Oh, como o meu ofício de sonhar
E de parecer que não sei mais nada
Me traz ondas que quebram as marés
Que toldam meus olhos de não ver a entrada
Por onde os meus sonhos hão-de vingar...

Um beijinho para ti, depois deste tempo todo

 
At 18/7/05 10:57 da tarde, Blogger Estrela do mar disse:

...é engraçado que eu que nunca li poesia...no entanto comecei a gostar de alguns poetas e poetisas...porque tenho lido aqui muito na blogosfera...e sara...escolheste a minha poetisa preferida...gostei muito deste poema dela...bela escolha...

Tem uma boa semana.

Bjos.

 
At 19/7/05 4:17 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

João :)*
... o tempo passa e, nem sempre, damos por isso... :/
volta sempre que desejares e quando o tempo o permitir

gostei do teu regresso! :)


Estrelita,
ainda bem que gostaste desta escolha... eu também... comprei o livro, ontem; vi-o e não resisti ;D
Gostei muito deste, que aqui coloquei...

Espero que as coisas, "por aí" , estejam melhores...

;)*

 
At 20/7/05 11:34 da manhã, Blogger Daniel Aladiah disse:

Querida Sara
Queremos que a poesia seja tudo, mas não é... é uma leitura do tudo...
Um beijo
Daniel

 
At 20/7/05 1:45 da tarde, Blogger Paulo Dâmaso disse:

A poesia ajuda a sonhar,
tal como as ondas tem de quebrar!

beijos

 
At 21/7/05 10:33 da manhã, Blogger AmigaTeatro disse:

Daniel,
será que a poesia existe devido às nossas inseguranças? aos nossos medos, receios e dúvidas?
As nossas lágrimas, os nossos ódios criam palavras crueis, fortes que nos podem provocar um mal-estar ou, antes pelo contrário, provocam uma liberdade imensa... ou, quem sabe, estas duas sensações possam ser sentidas em simultâneo...
Mas... e o amor? a alegria, os sorrisos/risos, o olhar... ??!
A necessidade de escrever encontra-se sempre em qualquer sentimento; em qualquer sensação, em qualquer acto...

A Poesia é um libertar de medos e de sonhos... a poesia é tudo... é tudo o que queremos que ela seja, mas, no fundo, e, ao mesmo tempo, é "...como se um poema fosse nada."

Paulo...
;)

 
At 21/7/05 11:56 da manhã, Anonymous aflores disse:

Mais um cantinho de poesia para "outros momentos"...agradeço e retribuo visita ao meu cantinho.

 
At 21/7/05 5:35 da tarde, Blogger Bastet disse:

Tal como a vida, a poesia é da forma que a olharmos e sentirmos, tudo ou nada. Um beijo para ti :)*

 
At 21/7/05 7:27 da tarde, Blogger paper life disse:

A prova de que os poetas não morrem antes crescem na nossa admiração e nos elevam.



Bjs :)

 
At 22/7/05 8:18 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

aflores,
volta sempre :)

Bastet,
e mainada!! :D*

maker,
isso!! =)

 

Enviar um comentário

<< Voltar ao mundo