terça-feira, agosto 23, 2005

Dilemas para toda a Eternidade?!

Sempre que se sente triste tem a necessidade de colocar umas certas e determinadas músicas... O pior é que essas mesmas músicas são demasiado mágicas, fazendo com que fique mais calma, mas também se sinta mais triste e pensativa. E quando começa a pensar… a pensar… deixa-se cair numa melancolia enorme que a consome por dentro. É inevitável não pensar nele. Ele é-lhe importante, mesmo que ela já não o ame. Mas, mesmo assim, ele continua a ser muito especial. É mágico, também, como as músicas.
E, de repente, vê-se a transcrever tudo aquilo que sente numa folha de papel já usada.

És-me importante, bolas! Essencial. Mesmo que o que sinta por ti já não seja tão divino, continuo achar que preciso pensar em ti para viver. Não quero que este amor – que na verdade já não existe – seja obsessivo. Mas... Eu preciso de ti. Compreendes?! Preciso de estar contigo.

Eu é que, na verdade, já não compreendo nada. Não compreendo esta necessidade de amar e de sofrer.

Temos culpa de amar? Diz-me. Tenho culpa de me ter apaixonado por ti e, por mais que queira, não consigo tirar-te dos meus pensamentos? Tu não respondes e eu acredito que sim, que tenho culpa de tudo o que me possa acontecer. Pensas que não sofro com isto tudo? Pensas que só não grito a todo o mundo que já não te amo, porque não quero assumir que te deixei de amar, que te perdi mesmo que nunca te tenha tido na realidade? Talvez estejas certo e seja mesmo isso que está acontecer. Talvez a única confusão que de momento existe é mesmo essa: o não crer admitir que já não te amo, que já não necessito de ti de maneira depressiva e eterna.

As lágrimas já caiem com dificuldade, já não têm a mesma força de há um tempo atrás. Tento acreditar que isso é bom, mas, a verdade, é que não me sinto bem de nenhuma forma. Não me sinto bem dizendo que te amo e não me sinto bem dizendo que o meu coração está de novo livre...

São cruéis estes sentimentos. É cruel esta idade...


Não se atreve a ler o que escreveu. Amachuca o papel e, num acto de fúria, atira-o para o chão.
Coloca a música do início, deita-se na cama e agarra-se à sua almofada. Fecha os olhos. E adormece enquanto que, inevitavelmente, as lágrimas continuam a cair...

12 à janela:

At 23/8/05 10:52 da tarde, Blogger JC disse:

Palavras para quê?
A força feminina a vir ao de cima ou como a maturidade de uma mulher sabe resolver situações. No amor tal como na guerra, há tempo para lutar, para desistir, para morrer ou quem sabe para sobreviver. Parece-me que a personagem do texto (parece-me não, tenho a certeza)é uma sobrevivente nata, a quem as vicissitudes da vida irão transformar numa bela e confiante mulhér. A propósito, gostei bastante do texto que li... Bjs.

 
At 24/8/05 12:46 da manhã, Blogger Ana disse:

O segredo está em NÃO ouvir as músicas. Evitar tudo o que se relacione com ELE.
Para a dor começar a desaparecer, devagarinho e poder iniciar o acordar para o esquecimento.
Gosto de ti.

 
At 25/8/05 11:57 da manhã, Anonymous madalena disse:

Amar é uma dor...Mas não amar é dor bem maior! Não adianta fugie ao sentimento, mesmo que confuso. E as musicas, são apenas as melodias do coração. Gostei do teu canto, obrigada por me trazer até cá! Beijo

 
At 25/8/05 1:38 da tarde, Anonymous Fradique disse:

Um blog muito interessante! Virei espreitar mais vezes...

http://www.queirosidades.blog.com

 
At 25/8/05 1:42 da tarde, Blogger Pêndulo disse:

Os meus parabéns por não teres escrito "obcessivo"
:P

 
At 25/8/05 2:00 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

JC ,
Mulher que é mulher tem sempre força seja para o que for!! E só com isto acho que já ‘tá tudo dito :D hehe
;)*

Ana
E eu também gosto de ti, muito, por isso é que nem me atrevo a comentar-te

;P**

Madalena
:)

Fradique
Obrigada :)
Volta sempre! ;)

Pêndulo
Mas tu estás a confundir-me com quem, hmm?!!!
Até parece... apff...!

 
At 25/8/05 2:52 da tarde, Blogger Joao disse:

É difícil esta travessia depois do fim, do interregno, da separação... como eu sei isso também ...

Um beijo

 
At 26/8/05 12:49 da tarde, Blogger Bastet disse:

Hoje a minha música é de férias, ritmos alegres e descontraídos. Volto em breve, deixo-te um beijo de despedida :)*

 
At 26/8/05 7:01 da tarde, Blogger Isis disse:

gostei do texto. gostei das emoções. o amor é um trajecto com vários caminhos e é isso q faz dele um objecto tão cobiçado!

 
At 26/8/05 11:50 da tarde, Blogger Margarida de Campos Loia disse:

João :)

Bastet ,
até breve,
diverte-te... :))
Jinho*

Isis
:)
Obrigada! Sê bem-vinda e volta sempre! =)

 
At 27/8/05 11:55 da tarde, Blogger mfc disse:

Nada de importante na nossa vida é esquecido. Os sentimentos podem, entretanto, mudar, mas a marca lá fica.
Há que saber conviver bem com o passado... ele faz parte de nós.

 
At 29/8/05 5:06 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

mfc =)*

 

Enviar um comentário

<< Voltar ao mundo