quarta-feira, setembro 07, 2005

Paraíso

Abro a porta proibida
E caio num abismo
Em que cada lágrima derramada
É um sonho perdido

Esqueço a quimera
Onde os teus dedos me tocam, de mansinho
E acordo vivaz para a realidade
Gravando no peito a dor do amor

E no cravo da saudade
Abrigo o teu olhar,
Abrigo o teu sorriso
Tornando esse refúgio
No meu paraíso

5 à janela:

At 8/9/05 10:55 da manhã, Blogger JC disse:

..."Abro a porta proibida"...
..."Onde os teus dedos me tocam, de mansinho"...
..."E no cravo da saudade"...
..."No meu paraíso"...

E não é que denoto nesta mensagem subliminar, algo do fôro çecçual?!?

Pronto, agora que já blasfemei com o teu post, deixa-me que te diga que gostei do teu post... Bjs.

 
At 8/9/05 6:08 da tarde, Blogger soldeinverno disse:

que belo paraíso o teu... jinhuz

 
At 8/9/05 10:31 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

JC, tu apanhas!! lol ;P

Soldeinverno,
=)*

 
At 11/9/05 9:15 da manhã, Blogger Daniel Aladiah disse:

Todos temos direito ao paraíso, mas isso implica deveres...
Beijo

 
At 12/9/05 2:11 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

Mistério,
e que deveres são esses? O dever de se ser feliz?! ;)

 

Enviar um comentário

<< Voltar ao mundo