sábado, novembro 20, 2004

Carta

Acordou. Espreguiçou-se e dirigiu-se à janela, não havia vento mas estava frio. Decidiu que hoje não iria sair de casa, optou por escrever, antes que a tinta se acabasse. Estava perante meia dúzia de folhas brancas – para o caso de se enganar. Queria escrever mas não sabia quais as palavras que deveria colocar naquelas folhas. Pensou e decidiu escrever uma carta. Já não o fazia há muito, agora com as novas tecnologias deixara de escrever à mão, de escrever uma carta e de a colocar no correio, habituara-se aos e-mails. A escrita perdera um bocado do seu encanto, no fundo, quem recebia a carta (neste caso o e-mail) não conhecia a letra da pessoa; ficaria sem saber quais as emoções depositadas em todas aquelas palavras. Não era igual. Ela sorriu por se aperceber a tempo da “loucura” que andava a cometer: a loucura de se esquecer das cartas e de viver perante o teclado, de escrever através dele. Estava certa que seria hoje que recomeçaria os seus hábitos de adolescente: as cartas renasceriam. Sorriu, mais uma vez. A carta tinha destinatário, era uma amiga que já não vira há muito, uma amiga que o destino separou. A carta começara:


Lisboa, 20 de Novembro de 2004

C. Sofia,
Há anos que nada sei de ti. Há anos que não vejo o teu rosto; que não vejo a transparência dos teus olhos. Sinto saudades, mas sei que és passado. Uma amiga de infância, uma pessoa deveras especial que jamais irei esquecer. Conheço-te como ninguém e fomos cúmplices durante anos. Inevitavelmente deixo escorrer lágrimas sobre o meu rosto, dantes eram lágrimas de tristeza por tudo o que aconteceu e pela maneira que se sucedeu; agora, são lágrimas de saudade, lágrimas ao pensar no tempo que vivi, no tempo que fui verdadeiramente feliz. Sei que farás sempre parte de um espaço unicamente reservado para todas as pessoas especiais, diferentes e importantes que eu vou conhecendo ao longo da vida e isso torna-me tranquila.
Hoje, percebo coisas que em tempos não estavam ao meu alcance, coisas que me eram impossíveis de compreender. Faço um sorriso forçado e ao escrever todas estas palavras vejo-te, a imagem da pessoa que foste e que imagino que, ainda, serás. Lamento-me pela divisão das nossas vidas; pelos caminhos opostos que escolhemos ou que fomos obrigadas a escolher. Lamento-me por isso mas fico feliz ao pensar em tudo o que vivi, contigo. Alimento-me dos momentos passados, sobrevivo a pensar no futuro, mas, principalmente, vivo a pensar no presente. Deixei que o tempo corresse; deixei que os ventos escolhessem os nossos caminhos; deixei que a nossa amizade ficasse, agora, apenas em memórias.
Deixei de pensar como as coisas seriam se se tivesse tomado outras decisões, deixei-me de o fazer porque me faz mal. Sentimentalista em excesso e tento moderar isso, mas é me muito difícil. Sei que sou diferente, sei que as amizades que faço são diferentes e até me apaixono de forma diferente e sei, também, que a minha vida é diferente. Mas é isso que me faz sentir única e verdadeiramente eu.
Cresci. Mudei. Aprendi. Caí imenso com os erros que proporcionei e com os obstáculos inesperados que vieram ao meu encontro. Por tudo isso, aprendi. Caí e isso fez de mim uma pessoa com características diferentes, fiquei, interiormente, mais forte e mais capaz de tudo resolver.
Embora, que por vezes a auto estima esteja em baixo orgulho-me da pessoa que sou e isso traz-me ainda mais forças para encarar o mundo.
A carta torna-se longa e tornar-se-á ainda maior porque se há coisa que não me falta são palavras. Estranho ou não, a verdade é que ao escrever-te, senti-te próxima, fazendo-me recordar de tempos passados e isso às vezes faz bem.

Assim termino, com a ânsia de dobrar esta carta, pô-la no envelope e de a mandar pelo correio. A tua morada sei de cor assim como todos os momentos que passámos.

Um beijo terno,
Da tua sempre amiga,
Filipa

18 à janela:

At 20/11/04 9:42 da tarde, Blogger LetrasAoAcaso disse:

A carta em papel será sempre insubstituível.
E ainda bem que assim é.
É delicioso recerber-se letras tecidas à mão, com carinho, com raiva, seja com que sentimentos estas tenham sido escritas. Existe algo de palpável, de magico nessas cartas que parecem estar em desuso.
Porém, o mundo é feito de ciclos.
Um dia voltarão a estar na moda. "Um mundo escravo de modas, estereotipado é um horror".

Não foi por acaso que escolhi ser jornalista e fiz sempre questão de exercer o meu trabalho em jornais.
Adoro letras, o cheiro da tinta e do papel.
Beijo

 
At 21/11/04 12:34 da manhã, Blogger lady-bird disse:

Quem me dera receber cartas escritas à mão! A verdade é que pela internet uma "carta" não tem o mesmo gosto, nem sabe a "carta". Afinal de contas, até lhe chamamos outra coisa, em inglês: é o mail.
Um beijinho

 
At 21/11/04 2:55 da manhã, Blogger Maria Branco disse:

Acredito que este seja o primeiro passo para a reaproximação. Para o reencontro.. O tempo, a distancia, o silêncio não quebram os laços, quando a amizade é verdadeira... Não abdico de escrever no papel, encanta-me os papeis de carta, a caligrafia trabalhada que revela emoções... Beijos

 
At 21/11/04 4:59 da tarde, Blogger olhardemim disse:

Há anos que nada sei de ti. Há anos que não vejo o teu rosto; que não vejo a transparência dos teus olhos. Sinto saudades, mas sei que és passado.
A minha história contada por ti.
Agradeço a tua visita.

 
At 21/11/04 10:21 da tarde, Blogger lique disse:

Sabes eu também gosto de escrever em papel. Cartas, cartões, algo onde a letra se possa ver. E ler-te fez-me lembrar dos amigos que fui deixando para trás. Beijinhos, Sara

 
At 22/11/04 11:10 da manhã, Blogger Vera Cymbron disse:

Era uma vez...
Adoro escrever cartas de papel, o cheiro da tinta é realmente outra coisa. Tenho medo de perder, como já perdi, as amizades que tenho...A distância e os caminhos diferentes não perdoam! Seria capaz de dar a vida pelas minhas melhores amigas. Entristeceu-me muito ver a mágoa da perda na tua carta...
Jinhos.

 
At 22/11/04 10:41 da tarde, Blogger Rita disse:

Oi Sara!
Gostei desta tua carta..já nao se escrevem cartas de papel, e é uma pena, pois era tao engraçado e so de saber knd se iria receber a próxima... ;P
Abraço para Ti

 
At 22/11/04 11:05 da tarde, Blogger frog disse:

Belo fragmento de vida em forma de carta! Carta que já não se escreve, onde tantas vezes se adivinhava a tristeza ou a alegria pelo traço hesitante da caligrafia...

Muito lindo...

 
At 23/11/04 8:09 da tarde, Blogger Miss Morticia disse:

E vinha eu retribuir a visita e deparo-me com uma carta. Tão linda, tão sentida... um sorriso!
Por acaso ainda hoje mantenho o hábito de escrever com papel e caneta :) o espírito é sempre outro! Parece que mandamos mais um bocadinho em cada linha que escrevemos.
Gostei muito! :)
E como já referenciei lá no meu cantinho... és amiga do grande amor da minha vida (o Teatro, é a minha grande paixão) e só por isso já és boa gente ;)

Beijinhos!

 
At 23/11/04 8:55 da tarde, Blogger barbaciliano disse:

Mais bonito do que uma carta escrita a mão é o sentimento que a move...
Aqui sente-se e prova-se que existe

Beijo

 
At 23/11/04 9:23 da tarde, Blogger Ana disse:

"Sei que farás sempre parte de um espaço unicamente reservado para todas as pessoas especiais, diferentes e importantes que eu vou conhecendo ao longo da vida e isso torna-me tranquila."

Gosto disto. Um beijo, pequenita*

 
At 23/11/04 10:54 da tarde, Blogger Å®t_Øf_£övë disse:

Olá,
Cartas em papel.....já nem sei o que isso é!!!
Embora tenha muitas guardadas com o maior carinho.
Seria tão bom que se voltasse a adquirir esse hábito.
Afinal será que chegaste mesmo a colocar a carta no correio?
E a morada será que continuava a mesma?
Bjs.

 
At 24/11/04 2:05 da manhã, Blogger Peter Pan X disse:

Querida Sara,
quando uma amizade é sincera e pura é normal que, mesmo depois de um "afastamento", haja saudade e vontade de rever o "velho amigo"!
Fico muito feliz que duas "velhas amigas" tenham amadurecido a sua amizade e voltem a reatar contactos.
Este foi o ponto de partida para que, em breve, possam combinar um encontro para por a conversa em dia (entre outras coisas).
Não percam esse elo tão importante que vos une: a Amizade!
Adorei a carta, a verdadeira carta de papel...
Beijinhosssss
;-)*****

 
At 24/11/04 4:12 da tarde, Anonymous Anónimo disse:

Por que nos permitimos a perda do prazer de escrever uma carta? Melhor ainda, é recebê-las. Bonito seu texto.
Marcos
www.esculachoesimpatia.zip.net
www.poetrando.weblogger.com.br

 
At 24/11/04 7:00 da tarde, Blogger Alexandre Narciso disse:

Quer se queira ou não as cartas de papel são detentoras d euma magia propria e trazem consigo sempre algo de quem as enviou. Gostei de te ler.
*A

 
At 25/11/04 12:49 da tarde, Blogger AnaP disse:

É nesta altura do ano que eu deixo o teclado e escrevo à mão os tais cartões que se dizem de boas festas. E reparo como a minha caligrafia se deteriorou porque levo meses sem escrever para outros pelo meu próprio punho. Adorei este texto! :-) Beijinhos e desculpa a ausência, mas acredita que foi alheia à minha vontade.

 
At 26/11/04 3:47 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

Um beijo grande a todos ;)**

 
At 31/5/10 8:47 da manhã, Blogger 文章 disse:

avdvd,色情遊戲,情色貼圖,女優,偷拍,情色視訊,愛情小說,85cc成人片,成人貼圖站,成人論壇,080聊天室,免費a片,視訊美女,視訊做愛,免費視訊,伊莉討論區,sogo論壇,台灣論壇,plus論壇,維克斯論壇,情色論壇,性感影片,正妹,走光,色遊戲,情色自拍,kk俱樂部,好玩遊戲,免費遊戲,貼圖區,好玩遊戲區,中部人聊天室,情色視訊聊天室,聊天室ut,成人遊戲,免費成人影片,成人光碟,情色遊戲,情色a片,情色網,性愛自拍,美女寫真,亂倫,戀愛ING,免費視訊聊天,視訊聊天,成人短片,美女交友,美女遊戲,18禁,三級片,自拍,後宮電影院,85cc,免費影片,線上遊戲,色情遊戲,日本a片,AV女優

 

Enviar um comentário

<< Voltar ao mundo