sexta-feira, dezembro 10, 2004

Feliz Natal

Faltavam poucas horas para a noite de Natal. A casa estava cheia. As crianças estavam excitadíssimas, andavam numa grande correria, de trás para a frente com um sorriso malandro, um sorriso de quem tinha descoberto mais um presente. Estavam tão felizes... na verdade, toda a gente estava feliz. Naquele dia havia o chamado calor humano.

Queria sair, discretamente. Fui ao quarto dos miúdos, e estes brincavam. Na sala outros viam televisão ao mesmo tempo que outros conversavam; na cozinha lá estavam “elas” acabar todos os preparativos. Queria sair, precisava de arejar, e sentir o verdadeiro Natal... sozinha. Porém, aproveitava para comprar mais umas prendinhas, para mim também.
O João estava lindo, como sempre. Dei-lhe um beijo nos lábios e baixinho disse-lhe que iria sair, mas que já vinha.

Fechei, muito cuidadosamente, a porta. Pé ante pé, de olhar observador, lá ia eu: caminhando por aquelas ruas abaixo. As ruas estavam perfeitas e, ao contrário do que imaginava, estavam invadidas de pessoas. Senti-me um pouco perdida e, de repente, no meio daquela multidão, sai uma criança que vem ao meu encontro, salta para o meu colo e abraça-me. Foi um abraço tão forte, que fez com que uma lágrima caísse sobre o meu rosto. Arrepiei-me. O abraço foi longo, e, embora nunca a tivesse visto, foi um abraço sentido como se a conhecesse desde sempre. Lentamente separamo-nos. Ela agarrou-me nas mãos e pediu-me para ser sua mãe. Sem palavras, sorri, apenas. E, mais uma vez, abraçamo-nos.
Peguei na sua mãozinha, tão delicada, e caminhei com ela. Andámos por aquelas ruas, entrámos e saímos das lojas, saboreámos um delicioso gelado... e rimo-nos bastante. Chamava-se, a pequenita, Leonor. Tinha, apenas, três anos e um sorriso de encantar qualquer um. Os seus olhos eram castanhos, de uma doçura enorme. Os seus pais tinham morrido num acidente de viação, onde só a pequenita Leonor tinha sobrevivido. Como o amor dos seus pais era um amor proibido ninguém quis a criança. Eu adorava ser mãe, e, agora, aos vinte anos, tinha encontrado a filha perfeita.
As horas tinham passado a correr e eu nem me tinha dado conta. Fomos, as duas, para casa.

A Leonor estava receosa, tremia um bocadinho. Dei-lhe um beijo, para se acalmar. Entrámos, e ninguém deu pela nossa chegada. Como eu queria, uma saída, e agora, uma entrada perfeita, com a máxima das descrições. Levei-a para o quarto, os miúdos continuavam a brincar e sem que me desse conta lá estava a Leonor a brincar com eles, também. Sorri.

Estava tão feliz que me tinha esquecido, por momentos, do João. O João adorava crianças e um dia confessou-me: “ Sonho em ter uma casa enorme, só nossa. Sentir a felicidade dia a pós dia. Entrar naquela casa onde se respira vida, onde tudo é perfeito. Chegar de um dia cansado e de poder sorrir por ver os nossos muitos filhos a correr pela casa, felizes. Sonho em olhar para o teu rosto, de o ver todos os dias; sonho em morrer bem velhinho... junto de ti.” Impossível esquecer todas estas palavras. E hoje, mais que nunca, lembrei-me delas.
Tinha a certeza que ele iria adorar a Leonor, e que quereria ser seu pai. Mas, mesmo assim, tinha um pouco de receio.
O João, levantou-se do sofá, olhou-me nos olhos e apercebeu-se que estava preocupada. Peguei-lhe na mão e levei-o para o quarto, apontei para a Leonor, esta vendo-nos de mãos dadas correu para o João e de sorriso no rosto disse espontaneamente “és tu que vais ser o meu pai?”. Corei e fiquei sem saber o que dizer. Sem dar tempo para que alguém respondesse lá foi ela, de novo, brincar.

A reacção do João foi melhor do que esperava, hoje, sentia-se mais feliz do que nunca. Mas as novidades não acabavam por aqui.

Após termos convencidos os mais pequenos a deixarem, por momentos, a brincadeira e irem jantar, juntamo-nos todos. Sentaram-se todos, eu e o João mantivemo-nos em pé e demos a belíssima notícia de que iria passar a haver mais um membro na família. Após a apresentação da Leonor como sendo nossa filha, sentei-me. O João deixou-se ficar em pé. Estranhei. Do bolso tirou uma linda caixinha azul escura, perante a família toda pediu-me em casamento. Corei imenso, acho até que nunca na vida tinha corado tanto mas a verdade, também, é que nunca tinha sido tão feliz na minha vida. As crianças riam imenso, achando que aquilo tudo era brincadeira. Agora, mais uma vez, era minha altura de surpreender tudo e todos. Levantei-me. De sorriso e olhar cúmplice comecei o meu discurso. Comecei por dizer o quão me sentia única , por ter a Leonor junto de mim, o quão me sentia nas nuvens pelo pedido de casamento, do João. E, o quão me sentia completa por estar grávida. Foi rápido o discurso, até porque nunca tive muito jeito para isso. Para além das crianças que continuavam com risinhos próprios da idade, as pessoas à minha volta, aquelas que eu tanto amava, amigos, familiares... ficaram comovidos, eufóricos com todas as notícias e simplesmente deslumbrados com tudo. Afinal, a minha felicidade era a deles.

Tirámos imensas fotografias e, a última, ficou linda. Eu e o bebé que tinha dentro de mim, a Leonor, no meio, e o João ao seu lado. Um quadro perfeito.

Meia noite e tudo acabou. A alegria do convívio tinha chegado ao fim, agora, a alegria era outra, era aquela de saber se o Pai-Natal tinha realmente trazido os presentes que eles – os mais novos – tinham pedido nas suas ingénuas e enormes cartas.

Este, este era sem dúvida o melhor Natal de sempre.
E, e o começo de uma nova vida...

25 à janela:

At 10/12/04 7:55 da tarde, Blogger Rita disse:

Ola Sara!!
Olha k gostei muitissimo de ler esta tua "historia" de Natal!
Goatava k todas as pessoas pudessem ter um Natal assim, e terem sentimento para com os outros k precisam!!
Abraço Grande

 
At 10/12/04 10:31 da tarde, Blogger Vera Cymbron disse:

Era bom que esta história se passa-se em todos os lares m todo o mundo. Uma história ternurenta, cheia de sentidos, coisas que todos nós nos identificamos, adorei.
Jinhos

 
At 11/12/04 10:17 da manhã, Blogger mario gomes disse:

é pena que tudo acabe tão bem. Eu que sou fã dos movimentos realistas e naturalistas gosto que tudo comece bem e termine mal. Ora aqui é o contrario: começa mais ou menos e acaba francamente bem. O João aceita a Leonor, quer casamento, a familia por completo aceita a criança, euforica, as crianças têm um lindo sorriso, tira-se fotografias... Estava a espera que o infortunio desabasse mas a culpa não é tua, é minha! Quem me manda esperar um desfecho triste em tudo o que vejo ou leio? De resto, lindo texto!

 
At 11/12/04 10:54 da manhã, Blogger mario gomes disse:

é pena que tudo acabe tão bem. Eu que sou fã dos movimentos realistas e naturalistas gosto que tudo comece bem e termine mal. Ora aqui é o contrario: começa mais ou menos e acaba francamente bem. O João aceita a Leonor, quer casamento, a familia por completo aceita a criança, euforica, as crianças têm um lindo sorriso, tira-se fotografias... Estava a espera que o infortunio desabasse mas a culpa não é tua, é minha! Quem me manda esperar um desfecho triste em tudo o que vejo ou leio? De resto, lindo texto!

 
At 11/12/04 3:58 da tarde, Blogger polittikus disse:

Um belo conto de Natal... Adorei.

 
At 11/12/04 4:52 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

Olá Rita :)
pois, mas isto é uma história e infelizmente as coisas não são tão cor-de-rosa... mas ainda há coisas muito bonitas e há que saber aproveitá-las ;)

Blue :)
um beijinho e um bom fim-de-semana ;))

Mário Gomes,
...é bom iludirmo-nos e acreditarmos nestes finais felizes, às vezes sabe bem =))
Obrigada pelo comentário e volta sempre!

polittikus ,
ainda bem que gostaste
obrigada e volta sempre :))

 
At 11/12/04 8:30 da tarde, Blogger lobices disse:

...venho agradecer e retribuir a tua amável visita ao meu sítio... (já agora, é, é Tomar, no Convento de Cristo)... :) *

 
At 11/12/04 8:31 da tarde, Blogger Luna disse:

Sara...que bom conhecer te....arrepiei-me com este conto de Natal...

 
At 11/12/04 9:15 da tarde, Blogger lique disse:

Que belo conto de Natal, Sara! A perfeição da vida numa noite só. Que bom era se fosse assim.. Um beijinho para ti.

 
At 11/12/04 9:19 da tarde, Blogger Micas disse:

É lindo este conto de natal Sara, pena que é só um conto. Beijinho e bom fim de semana

 
At 11/12/04 10:46 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

lobices, Tomar, então :)

Luna, boa! :)

lique... pois,
mas é para isso que servem os contos , para serem perfeitos, não é?!
;)*

Micas,
Obrigada :)
e bom fim-de-semana para ti também =)*

 
At 12/12/04 1:47 da manhã, Blogger Pêndulo disse:

Eu já disse o que pensava.

 
At 12/12/04 11:15 da manhã, Blogger PJND - "Patinho Feio" disse:

A estória está, de facto, muito bonita...
em breve - minutos- serás linkada com sucesso ao QUAC-QUAC ou como hoje é conhecido ao LARGO DA MÁ LINGUA.

Beijinho...
quac-quac.blogspot.com

 
At 12/12/04 1:46 da tarde, Blogger Selma disse:

Pena que nem todas as histórias de Natal possam ter um final tão feliz.

Gostei da tua.

 
At 12/12/04 2:06 da tarde, Blogger barbaciliano disse:

Gostei dessa "felicidade" ;)

Beijinhos

 
At 12/12/04 2:09 da tarde, Blogger LolaViola disse:

Desejas a vida. As crianças são o natal. O teu conto é delicioso e muito terno. Um beijo para ti :-)
http://vidasdeconchitaepaco.blogspot.com/

 
At 12/12/04 2:41 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

Pêndulo e eu já ouvi o que tu pensavas! lol
;P

Patinho Feio, agradeço :)*
Volta sempre!

Selma, talvez um dia tudo mude... ;)
:)*

Luísa, ainda bem :)
Jinho

Lola, um beijinho para ti também :)

E bom fim-de-semana para todos! :)

 
At 12/12/04 2:45 da tarde, Blogger lady-bird disse:

É o mais lindo conto de Natal que já li, a seguir à história do nascimento de Jesus. Encantador...

 
At 12/12/04 6:36 da tarde, Blogger Alexandre Sousa disse:

A tua escrita ultrapassa a ternura das palavras, o desvendar de sentidos, apenas porque escreves com o coração. Um bem haja para ti e ninguém se atreva a dizer que, nesta terra, não há valores.
Um sincero obrigado pelos belos momentos que passei neste espaço.

 
At 12/12/04 9:36 da tarde, Blogger MONALISA disse:

Gostei da tua história de Natal e dos sentimentos que passa.
Beijo

 
At 12/12/04 9:42 da tarde, Blogger AnaP disse:

Gostei muito da tua história. Um final feliz! :-) Beijocas*** Boas Festas!

 
At 13/12/04 4:07 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

Oh...
agradeço as palavras de todos!*

:)

 
At 13/12/04 4:27 da tarde, Blogger jorge disse:

um quadro perfeito, sim !

:-)

 
At 13/12/04 5:15 da tarde, Blogger Ivo Jeremias disse:

Aproveito para desejar d3esde já um Feliz Natal para ti :) um abraço e até já

 
At 13/12/04 5:37 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

Jorge :)

Jeremias, ainda falta um bocadito pó Natal, mas pronto...
hehe ;)*

 

Enviar um comentário

<< Voltar ao mundo