segunda-feira, dezembro 05, 2005

Ritual assombroso

Ainda o sol não tinha nascido e Rita, de mochila às costas, preparava-se para mais um longo dia. Na verdade, esses longos dias começavam a fazer parte da sua rotina. Sai de casa e, enquanto caminha, vai inalando aquele ar de doce manhã ainda adormecida que a faz sentir, por momentos, menina. Não pára de caminhar. O tempo não o permite e, o terrível frio que se faz sentir obriga-a a caminhar sem parar enquanto que o vento gelado lhe vai cortando o rosto, deixando as suas faces brancas levemente rosadas. Chega, por fim, à paragem onde, desgraçadamente, ainda a fazem esperar. Treme. Põe as mãos nos bolsos e, inevitavelmente, pensa no dia que lhe espera.

Na camioneta senta-se confortavelmente até que alguém descaradamente, e sem alternativa, se senta a seu lado. É um daqueles homens de olhar duvidoso, barrigudo, que adormece cuja postura é de incomodar. Fora o que se senta a seu lado o resto das pessoas, tipicamente provincianas, vão falando umas com as outras - sem se conhecerem - dos vizinhos; do senhor da padaria que anda enrolado com a menina de quinze anos, filha da Maria Augusta, que já está reformada e que nunca se encontra em casa. Tentando ignorar o cenário que a rodeia fecha os olhos e pensa em algo que a faça feliz. É difícil. Ultimamente não há nada que a faça feliz. As lágrimas vão caindo lentamente pelo seu rosto. Não faz mal. Àquela hora ninguém repara. As lágrimas continuam, então, a escorrer, sempre com grande lentidão, até porque cada lágrima é um sonho que acaba de ver interrompido.
Lá fora, o dia começa a nascer. Pela janela começa a ver que o azul escuro, quase preto, de manhã preguiçosa começa a dar lugar a um dia de cores claras, indefinidas. Um dia triste.

Chega finalmente à capital. E, após ter que andar em mais uma meia dúzia de transportes, chega ao seu destino. O seu olhar vivaz logo pela manhã incomoda aqueles que, de mau humor, vão criticando o facto de o dia ter que começar tão cedo. E, enquanto eles se queixam, Rita pensa no quão eles são privilegiados.

Na escola, enquanto não se houve o toque de entrada, Rita retira da mochila o pequeno livro de poesia que acompanha diariamente. Abre-o, ao acaso. Lê os dois primeiros versos e fecha, de repente, o livro. Coloca-o na mala e, de passos apreçados, movimenta-se na direcção do portão, que separa o mundo onde dedica tanto tempo e o mundo exterior, que pouco conhece.

_ Rita! Onde vais? Espera… - Grita Isabel.

_ Não sei… Vou para longe!
Quero fugir desta rotina que me sufoca e que, aos poucos, me vai envenenando por completo. – Responde Rita, enfurecida.

_ Espera, Rita, por favor! Não faças nada que te possas vir arrepender.

_ Já me arrependi da vida que tenho e nada pode ser pior que isso.
Adoro-te, Isabel. Mas a Rita, tua amiga, morre aqui.

Talvez seja a forma mais cobarde de resolver os problemas que a atormentam. Mas, na altura em que precisava de mais carinho; na altura em que precisava de se sentir amada, foi a altura em que aqueles amigos , sem se apercebendo da situação, a deixaram completamente desamparada.

Rita parte para longe. E se será feliz ou não, não sabe. Mas tem a certeza de que os problemas que poderá vir a ter nunca mais serão os mesmos...

8 à janela:

At 6/12/05 7:07 da tarde, Anonymous João disse:

Olá sara ;)
É engraçado...parte do que escreves parece a minha vida, a rotina e a falta de amigos quando são precisos, ñ aparecem,
até parece que o que escreves faz parte mim...
é uma sensação estranha...
por vezes não consigo explicar partes da minha vida e revejo me nas palavras de outras pessoas, já não é a primeira vez que isso acontece....
Gostei muito do que escreveste,
Um beijinho sara ;)
tem um resto de um bom dia ;)

 
At 6/12/05 11:02 da tarde, Blogger Cakau disse:

De alguma forma, revi-me nesta história. FOi bom ler-te e ainda melhor aperceber-me que as rotinas somos nós que as permitimos!

Um beijinho doce *

 
At 7/12/05 2:16 da manhã, Anonymous mar_praia disse:

Não posso dizer que me revi na tua história pois não é a verdade. Mas não é por isso que não vou dar o merecido valor à mesma! Gostei muito da tua escrita.

Beijinhos grandes e continuação de uma boa semana...

 
At 7/12/05 7:44 da tarde, Blogger AmigaTeatro disse:

Beijinho aos três,
obrigada pelos comments e tenham um bom feriado :D*

 
At 7/12/05 11:42 da tarde, Blogger agua_quente disse:

Eu detesto a rotina. Acho que a melhor maneira de lutar contra ela talvez não seja fugir mas mudar o que está à nossa volta. Enfim, que sei eu? :)
Beijos

 
At 8/12/05 6:44 da manhã, Blogger Carmem L Vilanova disse:

Querida amiga!
Hoje eh dia de festa la em casa outra vez... gostaria de poder contar com tua presenca tao querida, para comer um pedacinho de bolo comigo... :o)
Muitos beijinhos para ti!

 
At 10/12/05 11:27 da manhã, Blogger AmigaTeatro disse:

Aguinha :)**

Carmem, eu num vi foi o bolo >:| bahh
lol ;P*

 
At 8/4/07 8:18 da tarde, Anonymous Anónimo disse:

temos sempre q ter algo objetivo para seguir e uma luz para nos orientar , tomenos isse comentario como exemplo.e o melhor refigio é JESUS CRISTO,nosso senhor ,protetor,orientador,,Ele é tudo.fequem em paz.

 

Enviar um comentário

<< Voltar ao mundo